segunda-feira

de maré

Na parede da sala não faltavam belas molduras
e rúbricas e títulos dentro delas
na mesa, contracheques, convites e cartas recebidas
algumas sequer abertas
artigos pra ler, artigos pra publicar, artigos em geral
estantes repletas de livros e retratos em boa resolução
Europa, Ásia, feriado em Bariloche, summit na California, a turma de formandos,
o festival em Gramado, o casamento, o batizado e a primeira comunhão dos filhos.
Troféus e medalhas das corridas e maratonas: cinco, dez, quarenta, oitenta km
honra, mérito e louvor.

mas a maré encheu
e não sabia nadar.

quinta-feira

Diaver

os que sabem de tudo e dizem que sim e os que sabem de tudo e dizem que não
a razão
brusca, tola e indelicada
haverá
sempre
uma manhã oportuna - espero -
alguma coisa que falta - ou não -
e outra justa que a complete - ou não também -
haverá um homem gordo deitado na grama lendo o jornal
tempo pra pensar, há de ter
e mais ainda pra não pensar
o tempo, solto no mundo sem depender de ninguém como
a manhã, haverá
sempre
referências tanto pro bem como pro mal e
pra mais um punhado de coisa que não cabe nesses dois
latidos de cachorro e
um desejo danado, uma agonia, uma decisão a tomar
choro e alegria, pranto e júbilo
tudo junto e misturado, sim, haverá
Festa!
sempre, regozijai-vos
regozijai-vos pois haverá
quem diga, quem teime, quem cisme
uma menina, uma árvore, um horizonte pintado numa parede descascada
mil motivos e uma canção pra cada um
jovens eloquentes, chatos, uma bela tradição e
risadas
livres e oportunas como a manhã e o tempo
haverá gargalhadas sonoras, escancaradas
farra e coisas sem lugar
e um, ou dois, ou dez pra encerrar (ou tentar) tudo em caixas e prateleiras
haverá esses, geralmente eloquentes, geralmente chatos
a obsessão pelos pontos finais
e para eles: risadas
caixas e prateleiras delas
abertas e despencadas
haverá sempre
ramos que se esticam até quase entrar pela janela
frases adequadas
e outras que escapam
e todo tipo de gente a tropeçar nelas
vidros e telhas quebradas e complexos mosaicos compostos
o risco, o traço, a chuva boa de fazer dormir
haverá
e a iminência é fôlego,
ladeira que desce, o fundo invisível do ralo, o vão no teto que areja a
vida, a pluma
apesar e por causa dela
haverá
a manhã, o tempo, a risada
sempre