domingo

Suscetível




Vou jogar tudo pro alto
Afinal,
Se tudo que sobe tende a cair,
É fundamental que se suba.

Suba e se renove nos ares frescos do alto
Se esparrame no espaço sem domínio e
Alcance o ápice
O átimo em que o corpo se abandona, o fôlego falta
e se esmorece...

E que então caia!
Despenque e experimente o delírio dos suicidas
e o próprio peso apresse a queda
Descuide-se das expectativas e
Convalesça sobre o inevitável, até que...

Enfim,
Sinta o amparo do que vigia
e vigiou todo o tempo.
A certeza das mãos seguras prestes a lançar novamente

E outra vez
Alto!
Cada vez mais

Pontuando a plena perspectiva celeste
Tonteando no leve ziguezague astral
Alto!
Por sobre tudo que, de cima, é tão pequeno
Tão vulnerável
Tão pronto a
Subir

terça-feira

Infante

Eu gosto de você
E você gosta de mim
A vida podia ser simples assim

Uma casa em cores primárias
Uma árvore com flores bordadas
Galhos tortos que descem à altura das crianças
Um moleque descalço e
Uma menina de trança

Água pra quem tem sede
Frutas pra quem tem fome
Redondas, espichadas, coloridas, divertidas
Diferentes
Que no marasmo das tardes quentes
É pra gente brincar de dar nome

Acordar com o sol
Dormir com a lua
Deitar juntinho e te ver sempre nua
Fazer carinho

Carinho doce
Na pele doce
Do corpo doce
Quem dera se a vida fosse
Simples assim
Como eu gosto de você
E você gosta de mim